18 de jan de 2017

O que faz a criança precisar de alguém ao seu lado para adormecer ou dormir?

A dificuldade em uma criança adormecer sozinha e o despertar noturno decorrem tanto das sensações ou alterações corporais, como superestimulação, frio ou calor, sede, fome ou dor, quanto das questões de natureza psíquica, como temores, estresse ou pesadelo. Diante destas situações, muitas crianças solicitam a presença de alguém ao seu lado para adormecer ou buscam uma figura de referência no meio da noite porque sozinhas ainda não são capazes de lidar com – e até mesmo verbalizar sobre – estes incômodos.
Na tentativa de acolher o pequeno que não dorme ou acorda na calada da noite, cada cuidador vai experimentando meios de tranquilizá-lo: pega-o no colo em silêncio para que ele não desperte ainda mais; amamenta-o porque o leite “acalma”; fica junto – dormindo, assistindo TV ou mesmo brincando em plena madrugada – porque a criança “quer companhia”; entre tantos outros.
Imagem: Google
A criança que tem o sono interrompido e não consegue retomá-lo sem ajuda, assim como aquelas que precisam de alguém ao seu lado para adormecer no sono diurno ou noturno (ou que necessitam de rituais que a faça “apagar”, como dormir no carro/carrinho dando volta no quarteirão), precisa do outro para sentir-se segura e protegida. Como dormir é um momento de extrema solidão – psiquicamente ficamos sós, nós com nós mesmos – ficar só pode ser deveras perturbador. É por isso que acolher fisicamente a criança costuma “funcionar”. No entanto, apenas acolhê-la corporalmente, dando colo ou a mão, dormindo junto, ficando no quarto, entre outros, nem sempre é o suficiente para fornecer os recursos necessários para a criança conseguir adormecer e ou dormir sozinha a longo prazo.
Dormir implica na transição entre estar acompanhado-estar desacompanhado. Portanto, para que o adormecer e o despertar sejam vividos com tranquilidade, garantindo inclusive a saúde emocional de toda a família, é preciso ajudar a criança na transição do estado de vigília para o sono, de estar acompanhada para estar só.
Se, por alguma razão, as falhas ambientais forem vividas pela criança como rupturas, a criança pode se sentir menos segura, tendo, portanto, maior necessidade da presença concreta de alguém de sua confiança.
Em muitos momentos a presença física de alguém se faz necessária nesta passagem. Os bebezinhos, por exemplo, por não estarem ainda totalmente separados da mãe do ponto de vista psíquico, precisam da presença física dela (ou substituto) para ter a sensação de continuar existindo. É por isso que a dedicação e a prontidão das mães, traduzindo e atendendo às demandas do bebê nos primeiros meses de vida, é tão importante para que ele possa cada vez mais ir se sentindo seguro e, consequentemente, suportando o prolongamento do tempo sem a presença materna.
Assim como alguns bebês e crianças nunca adormeceram ou dormiram sozinhos, há bebês e crianças que costumavam adormecer com facilidade e tinham o sono ininterrupto, mas, de “uma hora para outra” passam a acordar no meio da noite ou a reivindicar a presença de alguém ao seu lado para adormecer ou dormir. Em geral estas situações, temporárias ou não, surgem sempre que o bebê ou a criança vivencia em algum grau a angústia de separação ou dispende muita energia em alguma nova habilidade que está adquirindo. Neste último caso, a situação tende a ser passageira e menos angustiante para o bebê ou a criança.
Embora alguns autores nomeiem a angústia de separação por crises do primeiro trimestre, crise dos 8 meses, e assim por diante, prefiro não fazer tais nomeações, já que as vivências de separação, com maior ou menor intensidade, são experimentadas a vida toda. Mesmo os pesadelos infantis, responsáveis por grande parte dos despertares noturnos, em sua maioria falam de algum temor de separação (ser engolido, sequestrado, perder os pais – por morte ou outra razão, se perder ou morrer, etc.).
Como acontece com os bebezinhos, nestes momentos de “crise” é preciso resgatar a devoção ao bebê ou criança. Mesmo que em alguns momentos seja preciso o contato físico, ele jamais deve substituir palavras de conforto que ajudem a criança a entender seu temor – Sei que você não queria se separar da mamãe, mas enquanto você dorme, vou fazer tais e tais coisas. Assim você descansa e quando acordar vamos brincar juntos. Este exemplo, que poderia ser qualquer outro, reconhece o sofrimento da criança, e pontua que a mãe continuará existindo e voltará a cuidar do filho quando ele acordar.
Esta tarefa de estar disponível e nomear a situação nem sempre é rápida, simples e fácil, especialmente porque ela costuma ser necessária no meio da noite, repetidas vezes, prejudicando o sono de toda a família. Exatamente por isso, condutas de levar a criança para a cama dos pais acabam sendo a “melhor” alternativa em muitos lares.  O grande problema é que nessas situações se cria hábitos difíceis de serem eliminados posteriormente, mesmo que a criança já se sinta mais segura para dormir sozinha. Um exemplo clássico são crianças com 6-8 anos, ou até maiores, que só dormem na cama dos pais ou com a presença de um deles no quarto. Outro risco é reforçar a relação “grudadinha” entre o adulto e criança.
Para não ficar colado no corpo, além das palavras, pode ser bem rico encontrar com cada bebê e criança algo que substitua a presença física do adulto – uma luzinha, um bichinho de pelúcia, um paninho, que podem ser fornecidos nos momentos de transição presença-ausência. No entanto, eles só terão validade enquanto substituto humano se, na presença do adulto, a criança encontrar a segurança que ela precisa ou a liberdade para também estar só.
Separar pode ser muito doloroso, tanto para os filhos, como para os pais. Mas para crescer é preciso passar por isto!

Fonte: http://ninguemcrescesozinho.com.br/2016/06/27/o-que-faz-a-crianca-precisar-de-alguem-ao-     seu-lado-para-adormecer-ou-dormir/

16 de dez de 2016

Faça do seu pequeno um grande Papai Noel

Da empolgação dos pais, parentes e amigos, sobrou a poeira e faltou lugar no quarto. Estou falando da montanha de brinquedos esquecidos num canto, num cesto ou numa caixa. Esse é o cenário do ambiente em que se desenvolvem muitas crianças, principalmente as de classe média. Aproveito essa época do ano em que as pessoas estão mais solidárias para lançar uma ideia: é hora de revirar os armários e fazer uma faxina nos brinquedos em desuso. Vamos ensinar os pequenos a doar os antigos objetos de prazer que, hoje, não significam mais nada.

Psicologicamente, um brinquedo é um instrumento que ajuda a criança a entrar em contato com a realidade. Auxilia na transição entre a fantasia e a realidade, desenvolvendo, principalmente, a criatividade. Quando o objeto não tem mais esse significado, ele acaba perdendo a função saudável. E é hora de passar o brinquedo adiante.

O processo de conscientização não é tão fácil assim. Mesmo sem brincar mais, muitas crianças ficam apegadas aos objetos. Segundo o psicólogo Alexandre Streb, os pais devem dar o exemplo, devem demonstrar desapegado. É importante mostrar para o filho que, quando a roupa não serve mais, ela deve ser doada para uma instituição ou para uma pessoa com poder aquisitivo menor.

– Tem que dizer que o brinquedo que não é mais importante para ele, mas que pode ter uma grande utilidade e dar alegria para outra criança. A criança precisa ser estimulada, e esse processo ajuda a desenvolver conceitos como segurança e autoconfiança.

Streb conta da experiência de uma menina de 6 anos. No Natal passado, ela decidiu doar a bicicleta. O pai foi a uma instituição na Vila Renascença. Perguntou para a responsável pela entidade se ela conhecia alguém que quisesse uma bicicleta e que a família não tivesse condições de comprar. Pai e filha deixaram a bicicleta com aparência de nova, colocaram-na no carro e foram até o endereço indicado. Da porta da casa humilde, saiu a menina. Ela não disse uma única palavra. Os olhos espichados e marejados em direção à bicicleta diziam tudo. Impossível definir qual das duas ficou mais feliz.


Fonte: Ticiana Fontana. Zero Hora - Caderno Meu Filho, de 19/12/2011.

17 de nov de 2016

Como lidar com a fase das mordidas

Foto: A mordida também é uma forma de comunicação
A mordida também é uma forma de comunicação

O coleguinha de classe não quis dividir o brinquedo? Nhac! A mãe está grávida de um irmãozinho? Nhac! Ninguém dá a atenção exigida? Nhac!

Mais do que uma reação de raiva, as mordidas dadas pelas crianças pequenas, com até 2 ou 3 anos de idade, são uma forma de comunicação e de expressão de sentimentos. "Nessa primeira etapa da vida, a criança ainda não domina a linguagem. Então, a forma que ela tem para se expressar, para se comunicar e interagir com os outros é pelos meios físicos, como morder, bater, puxar o cabelo", explica Marilene Proença, membro da diretoria da Associação Brasileira de Psicologia Escolar e Educacional (Abrapee) e professora do Instituto de Psicologia da Universidade de São Paulo.

O fato de as mordidas fazerem parte de uma fase do desenvolvimento das crianças não significa que elas devem ser ignoradas ou aceitas pelos pais. Conheça abaixo um pouco mais sobre essa fase e veja as dicas dos especialistas para saber como lidar quando seu filho é a vítima da mordida ou quando é o autor da dentada em um coleguinha da escola ou mesmo em um adulto.


Por que as crianças mordem?

Enquanto ainda não sabem falar com desenvoltura, as crianças utilizam outros meios para se expressar e para se comunicar. A mordida é uma delas. "As crianças na idade oral ainda não verbalizam com fluência e a linguagem do corpo acaba sendo mais eficaz", diz Rosana Ziemniak, coordenadora de Educação Infantil do Colégio Magister, de São Paulo.

"Nessa fase em que as crianças ainda não têm domínio da fala, as manifestações corporais são usadas para manifestar descontentamento, alegria, descobertas", diz Marilene Proença , membro da diretoria da Associação Brasileira de Psicologia Escolar e Educacional (Abrapee) e professora do Instituto de Psicologia da Universidade de São Paulo.

Rosana Ziemniak acrescenta: "O que a criança deseja ao morder um amiguinho não é agredi-lo, mas sim obter de forma rápida algum objeto ou chamar atenção". As mordidas, segundo Marilene Proença, são usadas em situações diversas, e a criança vai avaliando quais os efeitos que as mordidas têm: "A criança morde e depois vê o que acontece. Por exemplo, se ao morder ela consegue o que quer, qual é a reação do outro", comenta Marilene.


O que é fase oral?

Segundo Rosana Ziemniak, coordenadora de Educação Infantil do Colégio Magister, de São Paulo, a fase oral - assim denominada pelo pai da psicanálise, Sigmund Freud - é uma etapa do desenvolvimento que vai do nascimento até por volta de dois anos de idade. "Nessa fase, é comum vermos crianças dando mordidas ao primeiro sinal de estresse. Este é um dos mais importantes e mais primitivo estágio do desenvolvimento infantil, quando a criança ainda é egocêntrica, ou seja, acredita que o mundo funciona e existe por sua causa", explica Rosana. "Sendo assim em sua concepção, tudo que deseja deve ser prontamente atendido e, quando isso não ocorre...nhac!", diz a coordenadora, acrescentando que nessa idade as necessidades, percepções e modos de expressão da criança estão concentradas na boca, lábios, língua e outros órgãos relacionados com a zona oral.


Como as crianças aprendem a morder?

As crianças não nascem sabendo dar mordidas, assim como não nascem sabendo dar tapas ou puxar o cabelo. Quem ensina as crianças a morder, beliscar ou a bater são os próprios adultos e as crianças mais velhas, conforme explica Marilene Proença, membro da diretoria da Associação Brasileira de Psicologia Escolar e Educacional (Abrapee) e professora do Instituto de Psicologia da Universidade de São Paulo. "Essas ações se aprendem na relação com outras crianças, com os adultos. Os adultos têm esse tipo de brincadeira, dizendo "vou morder você, vou apertar sua bochechinha". A criança assiste a essas formas de comunicação e a partir daí vai usando esses meios para se comunicar também" diz Marilene.


Em quais situações as crianças mordem?

Várias situações podem levar a criança a morder. "Em uma classe na escola de educação infantil em que a professora está grávida, por exemplo, pode haver um sentimento nas crianças de perda ou de abandono, em vista do bebê que vai chegar. O mesmo em casa, se a mãe está grávida do irmãozinho", comenta Marilene Proença, da Abrapee, Outras situações citadas por ela são a mudança de sala na escola, a disputa por um brinquedo ou mesmo pela atenção de outras pessoas.


Como lidar quando a criança morde?

Quando a criança morde outra pessoa, é importante a mediação de um adulto, para fazer com que ela reflita sobre o que fez e para que entenda que há outras maneiras de conseguir o que deseja. "O adulto deve mostrar à criança que há outros meios de expressar-se ou de conseguir o que se quer. Pode-se dizer, por exemplo: 'se você não gostou do que ele fez, vamos dizer isso a ele', ou 'você quer o brinquedo? Então vamos pedir o brinquedo'", diz Marilene Proença, membro da diretoria da Associação Brasileira de Psicologia Escolar e Educacional (Abrapee) e professora do Instituto de Psicologia da Universidade de São Paulo.

A especialista afirma que o adulto deve mostrar à criança que a linguagem é a forma certa de se obter as coisas. "O papel do adulto é transformar a atitude corporal em uma atitude mediada pela linguagem. Esse é um grande objetivo da educação, tanto na escola quanto em casa", explica ela. Quando esse ensinamento não é dado logo cedo, as crianças crescem e mantém as atitudes corporais para conseguir o que querem. É o que se vê quando crianças mais velhas se atiram no chão e fazem escândalo quando são contrariadas.


O que fazer se seu filho for mordido?

A mordida é sempre uma situação difícil para os pais de ambas as crianças, diz Rosana Ziemniak, coordenadora de Educação Infantil do Colégio Magister, de São Paulo. "Os pais da criança mordedora sentem-se envergonhados e os pais da criança mordida ficam chateados pelo machucado do filho. Cabe à escola mediar as relações entre as crianças e seus familiares para minimizar os sentimentos negativos e criar situações para estabelecer limites, mostrando a importância do respeito e do tratar bem o amigo que ficou triste por ter sido machucado", diz Rosana. Ela acrescenta que tanto a escola quanto os pais devem aproveitar essas situações para ensinar à criança as regras de convivência.

Marilene Proença concorda e diz que os pais não devem aceitar a ocorrência da mordida como uma coisa rotineira. "O ideal é procurar a coordenação da escola, dizer que isso não pode acontecer e procurar entender o que houve para gerar essa situação", comenta ela. Rosana Ziemniak acrescenta que a criança mordida deve ser acolhida e incentivada a expressar seu descontentamento, porém nunca deve ser incentivada a revidar, ou seja, a morder também.


Há casos em que a mordida pode ser sinal de que a criança está com problemas?

"Apesar de, na maioria das vezes, a mordida fazer parte do desenvolvimento natural da criança, em alguns casos, este comportamento pode sinalizar um problema de ordem emocional", diz Rosana Ziemniak, coordenadora de Educação Infantil do Colégio Magister, de São Paulo. "Se estas mordidas passam a ser frequentes, a criança pode estar insatisfeita, ansiosa, com sentimento de rejeição ou tentar chamar a atenção através da agressividade. Quando isso acontece, a família e a escola precisam acompanhar de perto e com atenção para descobrir as possíveis causas e dependendo do caso, é importante buscar a ajuda de um psicólogo", explica ela.



13 de out de 2016

Mais filhos únicos


 Shutterstock

Puxe pela memória. Na sua infância, quantos amigos da escola eram filhos únicos? Poucos, não é mesmo? Agora pense nos amigos do seu filho. Quantos deles têm irmãos? Boa parte, apostamos, é filho único.

Dados divulgados recentemente pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), na divulgação do Censo 2010, mostram que a taxa de fecundidade da mulher brasileira caiu para 1,86 filho por mulher em 2010, bem inferior à taxa de 2,38 filhos observada dez anos atrás.

Mudanças sociais e econômicas estão deixando a árvore genealógica nacional cada vez mais enxuta, sobretudo nos grandes centros urbanos. As taxas mais baixas de fecundidade foram observadas nos estados do Rio de Janeiro (1,62 filho por mulher), São Paulo (1,630 e no Distrito Federal (1,69), enquanto a taxa mais alta ocorre no Acre (2,77).

De acordo com o relatório, o declínio dos níveis de fecundidade ocorreu em todas as grandes regiões brasileiras, principalmente no Norte (de 3,16 filhos por mulher para 2,42) e no Nordeste (de 2,69 para 2,01), que possuíam os mais altos níveis de fecundidade em 2000.

Segundo o IBGE, também se notou uma mudança comportamental: começa a cair a participação das mulheres mais jovens (15 a 24 anos de idade) em novos nascimentos, e cresce a fecundidade entre as com mais de 30 anos, passando de 27,6% em 2000 para 31,3% em 2010.

Os números reforçam uma tendência dos casais que optam por diferentes razões em ter apenas um filho. Dedicar-se, primeiro, aos estudos e à carreira, focar o investimento em uma única criança, ter mais tempo para outras atividades são algumas delas.

A estilista Adriana Fiori, 37 anos, e o marido, o arquiteto Rogério Freitas, 41 anos, fizeram planos para ter apenas um filho. Júlia nasceu há 2 anos quando eles já estavam casados há 5. “Sempre quis ser mãe, mas não queria abrir mão dos estudos e da minha carreira. Quando Júlia nasceu, passei a trabalhar mais tempo em casa, mas agora que ela está na escola, retomei a antiga rotina. Decidimos ter um filho só para poder oferecer o melhor à ele e, ainda assim, manter os meus interesses e do Rogério”, diz.

Para a psicanalista – e filha única - Diana Corso, hoje em dia é muito mais fácil ser mãe de apenas uma criança, assim como é mais fácil ser filho único. “Atualmente, os casais que optam por apenas um filho não são discriminados como há alguns anos. Antes, ter um filho só poderia ser considerado uma vergonha. Não se cogitava que aquela era uma opção do casal, já se pensava em um problema no casamento ou na fertilidade da mulher. Hoje, quando nos referimos a uma família com apenas um filho, não dizemos que eles têm “apenas” um filho, e sim, eles têm um filho”, compara a especialista.

As crianças também não saem perdendo. Por muito tempo, os filhos únicos carregaram um estereótipo de crianças mimadas, já que não aprendiam a dividir com seus irmãos. Atualmente, eles têm que dividir os pais com outros interesses, como o trabalho. Também se dizia que filhos únicos eram mais solitários. “Isso é um mito. Uma relação de amizade entre irmãos é tão rara como o amor entre duas pessoas. Pode acontecer ou não. Ter um irmão significa a possibilidade de um laço, não a certeza”, completa Corso. Mas, se ainda assim, você está preocupada com a educação do seu filho único, veja a seguir algumas dicas que vão ajudá-la nessa tarefa:


Faça uma lista de seus medos (como imaginar que seu filho convive com crianças que são má influência ou o que pode acontecer se ele for sozinho a uma festa) e elimine o que você descobrir que não faz sentido
Conheça a capacidade de seu filho em diferentes estágios do desenvolvimento. Dê a ele oportunidades para ter aventuras e para fracassar
Discuta confiança com seu filho. Acredite que o sistema de valores de sua família orientará as decisões de seu filho quando ele crescer
Deixe seu filho resolver alguns problemas sozinho. Não fique sempre lá para juntar os cacos
Saiba que em alguns momentos é importante ceder e deixar seu filho descobrir como agir sozinho
*Dicas do livro Criando Filho Único (editora M.Books), de Carolyn White


Fonte: http://revistacrescer.globo.com/Revista/Crescer/0,,EMI280126-15546,00-MAIS%20FILHOS%20UNICOS.html. Acesso em: <30.11.2011>.

Mais filhos únicos


 Shutterstock

Puxe pela memória. Na sua infância, quantos amigos da escola eram filhos únicos? Poucos, não é mesmo? Agora pense nos amigos do seu filho. Quantos deles têm irmãos? Boa parte, apostamos, é filho único.

Dados divulgados recentemente pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), na divulgação do Censo 2010, mostram que a taxa de fecundidade da mulher brasileira caiu para 1,86 filho por mulher em 2010, bem inferior à taxa de 2,38 filhos observada dez anos atrás.

Mudanças sociais e econômicas estão deixando a árvore genealógica nacional cada vez mais enxuta, sobretudo nos grandes centros urbanos. As taxas mais baixas de fecundidade foram observadas nos estados do Rio de Janeiro (1,62 filho por mulher), São Paulo (1,630 e no Distrito Federal (1,69), enquanto a taxa mais alta ocorre no Acre (2,77).

De acordo com o relatório, o declínio dos níveis de fecundidade ocorreu em todas as grandes regiões brasileiras, principalmente no Norte (de 3,16 filhos por mulher para 2,42) e no Nordeste (de 2,69 para 2,01), que possuíam os mais altos níveis de fecundidade em 2000.

Segundo o IBGE, também se notou uma mudança comportamental: começa a cair a participação das mulheres mais jovens (15 a 24 anos de idade) em novos nascimentos, e cresce a fecundidade entre as com mais de 30 anos, passando de 27,6% em 2000 para 31,3% em 2010.

Os números reforçam uma tendência dos casais que optam por diferentes razões em ter apenas um filho. Dedicar-se, primeiro, aos estudos e à carreira, focar o investimento em uma única criança, ter mais tempo para outras atividades são algumas delas.

A estilista Adriana Fiori, 37 anos, e o marido, o arquiteto Rogério Freitas, 41 anos, fizeram planos para ter apenas um filho. Júlia nasceu há 2 anos quando eles já estavam casados há 5. “Sempre quis ser mãe, mas não queria abrir mão dos estudos e da minha carreira. Quando Júlia nasceu, passei a trabalhar mais tempo em casa, mas agora que ela está na escola, retomei a antiga rotina. Decidimos ter um filho só para poder oferecer o melhor à ele e, ainda assim, manter os meus interesses e do Rogério”, diz.

Para a psicanalista – e filha única - Diana Corso, hoje em dia é muito mais fácil ser mãe de apenas uma criança, assim como é mais fácil ser filho único. “Atualmente, os casais que optam por apenas um filho não são discriminados como há alguns anos. Antes, ter um filho só poderia ser considerado uma vergonha. Não se cogitava que aquela era uma opção do casal, já se pensava em um problema no casamento ou na fertilidade da mulher. Hoje, quando nos referimos a uma família com apenas um filho, não dizemos que eles têm “apenas” um filho, e sim, eles têm um filho”, compara a especialista.

As crianças também não saem perdendo. Por muito tempo, os filhos únicos carregaram um estereótipo de crianças mimadas, já que não aprendiam a dividir com seus irmãos. Atualmente, eles têm que dividir os pais com outros interesses, como o trabalho. Também se dizia que filhos únicos eram mais solitários. “Isso é um mito. Uma relação de amizade entre irmãos é tão rara como o amor entre duas pessoas. Pode acontecer ou não. Ter um irmão significa a possibilidade de um laço, não a certeza”, completa Corso. Mas, se ainda assim, você está preocupada com a educação do seu filho único, veja a seguir algumas dicas que vão ajudá-la nessa tarefa:

Faça uma lista de seus medos (como imaginar que seu filho convive com crianças que são má influência ou o que pode acontecer se ele for sozinho a uma festa) e elimine o que você descobrir que não faz sentido
Conheça a capacidade de seu filho em diferentes estágios do desenvolvimento. Dê a ele oportunidades para ter aventuras e para fracassar
Discuta confiança com seu filho. Acredite que o sistema de valores de sua família orientará as decisões de seu filho quando ele crescer
Deixe seu filho resolver alguns problemas sozinho. Não fique sempre lá para juntar os cacos
Saiba que em alguns momentos é importante ceder e deixar seu filho descobrir como agir sozinho
*Dicas do livro Criando Filho Único (editora M.Books), de Carolyn White


Fonte: http://revistacrescer.globo.com/Revista/Crescer/0,,EMI280126-15546,00-MAIS%20FILHOS%20UNICOS.html. Acesso em: <30.11.2011>.

21 de set de 2016

Agressividade na infância: até que ponto é normal?

Fragilidade e insegurança. Esses são os dois principais motivos que ocasionam comportamentos agressivos por parte das crianças, podendo resultar em ferimentos nela própria e em outras pessoas. Situações como o nascimento de um novo bebê na família, separação dos pais ou então a perda de algum parente próximo contribuem para a mudança repentina na maneira de agir do filho.

"As crianças são totalmente emocionais e pouco racionais. Por não saberem lidar com alguns sentimentos, podem expressá-las por meio de atos agressivos", explica a especialista em psicologia clínica para crianças e adolescentes, Keila Gonçalves.
Sabe-se, no entanto, que a agressividade não é um traço de personalidade. Se seu filho está agressivo, certamente ele está sendo influenciado pelo cotidiano familiar e, em menor escala, por fatores externos, como a televisão, amizades, entre outros.
Segundo Keila Gonçalves, os pais devem ficar preocupados quando as atitudes perturbadoras se tornam prolongadas. "Algumas vezes, as crianças apresentam uma agressividade não apenas transitória, mas permanente, ou seja, parecem estar sempre provocando situações de briga. Este é o momento de entrar em ação".
Observar muito bem cada atitude e manter o diálogo são os primeiros passos para descobrir a causa o problema. Muitas vezes, o pequeno da família pode estar vivendo situações de conflito, seja em casa ou na escola, que o faça desempenhar algum tipo de papel, agredindo e deixando-se agredir, como conseqüência desta dinâmica em que pode estar inserido.
O comportamento hostil geralmente se origina por inúmeras razões: dificuldade de relacionamento com outras crianças; algum tipo de abuso ou humilhação por parte dos adultos; pais que evitam dizer “não” quando necessário (podendo transformar em uma criança possessiva) ou excesso de cobrança.
Nesses casos, a criança precisa de ajuda, mais do que de punição. Torna-se urgente assisti-la, por meio de muita observação e diálogo, para que se possa interromper esse ciclo de violência. É recomendada a ajuda de um especialista, que orientará os pais sobre a maneira correta de proceder.

Outra medida importante é a relação de cumplicidade entre a família e a escola. Saber sobre o comportamento do seu filho fora de casa e informar a educadora sobre os problemas percebidos podem ser fundamentais. "Muitas vezes, há uma melhora sensível quando a criança percebe que seus pais enxergaram o problema", revela a psicóloga. Como se percebe, o afeto é o caminho mais tranqüilo e menos doloroso para arrancar a tensão de dentro do seu querido. Basta saber usá-lo.

18 de ago de 2016

De novo. E de novo, e de novo!



Ninguém na família agüenta mais A Bela Adormecida, Procurando Nemo e Monstros S.A.? De tanto que seu filho assistiu a esses filmes, até você já cantarola debaixo do chuveiro Salagatula, decorou os diálogos entre Dory e Marlin. Assistir ao mesmo filme quatro, cinco, seis ou até dez vezes pode parecer um tanto quanto cansativo aos adultos, mas para as crianças a partir dos 2 anos é essencial para o desenvolvimento emocional e intelectual. A repetição é um dos mais típicos comportamentos infantis, um mecanismo de aprendizado e de garantia de ligação afetiva com o mundo.

Repetir brincadeiras, ouvir a mesma história, a mesma música inúmeras vezes faz com que as crianças aprendam a identificar situações, momentos e também relações de causa e efeito. Essas experiências, chamadas reiterativas, é que os impulsionam a se aventurar em novos conhecimentos, pois, inconscientemente, educa-os a fazer previsões e criar expectativas. Além disso, a criança confirma informações, capta melhor o que já viu e reforça sua identificação com algum elemento do filme.

É esta identificação, principalmente, que determina quais brincadeiras ou histórias vão ser as preferidas. Só essas serão repetidas muitas vezes, e não todas as atividades do cotidiano. Os pais devem compreender e acolher essa necessidade infantil. Paciência, então, com as infindáveis repetições dos episódios de Hi-5, Save-Ums, Backyardgans ou Vila Sésamo.

A preferência infantil, porém, não significa o fim para novas experiências. Criança é bicho muito curioso e adora novidade, desde que seja bacana (como todo mundo, aliás). Os adultos podem oferecer novas experiências, situações diferentes e garantir ao filho a companhia e o apoio para se arriscarem. Mesmo que isso, às vezes, signifique contar outras dez vezes a nova história.


Fonte: Boletim Online CRESCER.

13 de jul de 2016

Brinquedo de menina x Brinquedo de menino

Brincadeiras que envolvem bonecos e bonecas são utilizadas frenquentemente pelas crianças e este interesse tende a aumentar por volta dos 5 anos de idade, por que fantasias entre o bem e o mal - assim como o conceito de certo e errado - estão latentes nesta faixa etária. Este comportamento, de acordo com a Psicanálise, está relacionada ao Complexo de Édipo, no qual fantasias de poder e força estão bastante afloradas.

Dessa forma, brincadeiras e brinquedos não devem ser classificados por gênero (de menino ou de menina), pois esta categorização é cultural e, muitas vezes, preconceituosa.

A escolha de brinquedos, brincadeiras ou determinadas cores não interferem na escolha/orientação sexual do individuo, o que faz com que todos os brinquedos sejam `utilizáveis` tanto por meninas quanto por meninas.

Por que não oferecer a sua filha um carrinho? Ou oferecer ao seu filho uma boneca? Se estes brinquedos interessam aos pequenos não há por que negar. Você terá uma ótima oportunidade de mostrar ao seu filho que brincar é um ato livre de preconceitos e esta atitude só depende de você.



Rafaella Pelisser
Psicóloga
CRP 07/16972